EVANGELHO UTILITARISTA

Postado por Paulo Cezar Soares | segunda-feira, 31 de Agosto de 2020

No período de uma semana as páginas policiais dos nossos jornalões publicaram notícias com personagens evangélicos. A pastora, cantora gospel e deputada federal Flordelis dos Santos de Souza (PSD-RJ) foi acusada pela polícia de ser a mentora intelectual do assassinato do marido - e convencer os demais envolvidos a participarem do crime - o também pastor Anderson do Carmo, crime ocorrido em 16 de junho de 2019, no bairro de Pendotiba, município de Niterói, Região Metropolitana do Rio. Seis dos seus filhos e uma neta estão presos.

Por desavenças financeiras decidiu matar o marido. Não concordava com os seus métodos de administrar o dinheiro da família. Tentou envenená-lo algumas vezes, colocando  remédios na comida, de acordo com depoimentos dos seus filhos. Ao longo de 2018, o pastor Anderson foi internado  três vezes, apresentando uma quadro de taquicardia, dores lombares e vômitos. Como essa estratégia não deu certo, Flordelis apelou para o assassinato a tiros. Um dos seus filhos, Flávio dos Santos Rodrigues foi preso, acusado pelo assassinato O pastor Anderson -  de acordo com a perícia    levou 30 tiros. A polícia suspeita que outras pessoas possam ter participadeo do crime.

 Nascida e criada na favela do Jacarezinho, Zona Norte do Rio, no local Flordelis era conhecida como pastora e missionária. Sua popularidade foi crescendo em função dos diversos convites que recebia para conceder entrevistas em diversos veículos  de comunicação de massa e falar a respeito dos seus filhos adotivos. O auge dessa popularidade ocorreu em 2009, com um documentário que narrava como tornou-se mãe de 55 filhos - 43 mulheres, 12 homens, sendo quatro adotivos.

Flordelis faz parte do grupo de evangélicos neopentecostais fundamentalistas que distorcem o texto bíblico, costumam pregar bizarrices e usam a religião como escada para atingir objetivos meramente pessoais. São igrejas utilitaristas “ A pastora foi forjada durante os últimos 30 anos, pela ânsia de visibilidade midiática, além de consequentes status de poder financeiro e político”,  explica a jornalista e doutora em Ciências da Comunicação, Magali Cunha, colunista da revista Carta Capital para assuntos de religião.

Desde o dia do crime não houve nenhum comentário dos colegas de partido da pastora, o mesmo ocorrendo no universo evangélico neopentecostal. Por que alguns pastores que são recorrentes na mídia não se manifestaram? E a Bancada da Bíblia? Silêncio total.

Espera-se que agora o PSD defina com rapidez e imparcialidade a situação da deputada Flordelis.

Recomenda-se o mesmo para o PSC, partido do pastor Everaldo Dias Pereira, preso no último dia 28, acusado de ser um dos líderes do esquema de corrupção do Estado, com  destaque para a área da Saúde. Seus dois filhos - Filipe Pereira e Laércio Pereira - também foram presos. Everaldo foi citado na delação premiada do ex-secretário estadual de Saúde, Edmar Santos, que o acusou de mandar na pasta.

Pastor Everaldo, amigo de longa data do ex-deputado federal Eduardo Cunha, de quem foi sócio numa rádio em Pernambuco, entre os anos 2000 e 2004 - que acabou sendo vendida para o missionário R. R. Soares - foi a primeira candidatura confessional evangélica à Presidência da República, nas eleições de 2014. Ficou conhecido com a alcunha de candidato das bandeiras reacionárias no meio evangélico mais politizado e intelecutal. Sua participação só serviu para desgastar ainda mais a imagem do pastor evangélico perante a opinião pública.  

O slogan da sua campanha foi - “Fé em um Brasil melhor”.

 

 

———————————————————————————————————————————————————-

Colabore com este blog. Mínimo de 10  reais

Deposite na conta 00036281-0/ Agência 0175

Caixa Econômica Federal - CEF

Indignação contra a boçalidade de grupos da população brasileira

Postado por Paulo Cezar Soares | Quarta-feira, 26 de Agosto de 2020

Publicado no site Amaivos

Por Leonardo Boff

 

Quatro sombras escuras pairam sobre um país solar que nunca puderam ser dissipadas pela nossa consciência e inconsciência coletivas: a sombra do genocídio dos povos originários,os donos primeiros destas terras.De seis milhões que eram, sobraram apenas um milhão, a maioria por não suportar o trabalho escravo ou pelas doenças dos invasores contra as quais não possuíam nem hoje possuem imunidade.A sombra da colonização que depredou nossas terras e florestas e nos tornou sempre dependentes de alguém de fora, impedidos de forjar nosso próprio destino. A sombra da escravidão,nossa maior vergonha nacional, por termos transformado pessoas trazidas de África em escravos e carvão a ser consumido nos engenhos de cana de açúcar.Jamais vistas como pessoas e filhos e filhas de Deus mas como “peças”a serem compradas e vendidas, construiram quase tudo o que existe neste país. E hoje, tidos por preguiçosos e presos, compõem mais da metade de nossa população, jogados nas periferias; suportam o ódio e o desprezo antes imposto aos seus irmãos e irmãs das zensala e agora transferidos a eles com uma violência tal como mostrou o sociólogo Jessé Souza (A elite do atraso:da escravidão à Lava Jato,2007 p.67) até perderem o sentido de sua dignidade. A sombra das elites do atraso que sempre ocuparam o frágil Estado, usando-o para seu benefício. Nunca forjaram um projeto de nação que incluísse a todos, apenas, com as artes perversas da conciliação entre os endinheirados, apenas um projeto só para eles. Não bastava desprezar os marginalizados mas rachar-lhes as cabeças, caso se levantassem, como ocorreu várias vezes na sua heroica história da resistência e da rebeldia.

 

Quando um sobrevivente dessa tribulação, por caminhos de pedras e de abismos,chegou a ser presidente e fizesse alguma coisa a seus irmãos e irmãs, logo criaram as condições perversas para destruir sua liderança, excluído da vida pública e, por fim, a ele e a sua sucessora apeá-los do poder. Essa sombra ganhou contornos de “procelosa tempestade e noturna sombra (Camões) sob o atual governo que não ama a vida,mas exalta a tortura, louva os ditadores,prega ódio e larga o povo à sua própria sorte, atacado letalmente por um vírus, contra o qual não tem nenhum projeto de salvamento e, desumano, se mostra incapaz de qualquer gesto de solidariedade.

 

Estas sombras,por serem expressão de desumanização,se aninharam na alma dos brasileiros e brasileiras e raramente puderam conhecer a luz. Agora criaram-se as condições ideológicas e políticas para serem lançadas ao ar como lavas de um vulcão, feitas de boçalidade, de violência social generalizada, de discriminações, de raiva e de ódio de grandes porções da população. Seria injusto culpar a elas. As elites do atraso se internalizaram em suas mentes e corações para fazer que se sintam culpadas de sua sorte e acabem por fazerem seu o projeto deles que, na verdade, é contra eles. O pior que pode acontecer é o oprimido internalizar o opressor com o projeto enganoso de bem estar, sempre lhes sendo negado.

 

Sérgio Buarque de Holanda em seu conhecido “As raízes do Brasil”(1936) difundiu uma expressão mal interpretada em benefício dos poderosos, de que o brasileiro é “o homem cordial” pela lhanesa de seu trato. Mas teve um olho observador e crítico para logo acrescentar que “seria engano supor que essa virtude da cordialidade, possa significar “boas maneiras” e civilidade (p.106-107) e arremata;” a inimizade bem pode ser cordial como a amizade, pois, que uma e outra nascem do coração”(p.107 nota 157).

 

Pois, no atual momento o “cordial da incivilidade” brasileiro irrompe do coração, mostrando a sua forma perversa de ofensa, calúnia, palavras de baixo calão,fake news,mentiras diretas, ataques violentos a negros, pobres, quilombolas, indígenas, mulheres, LGBT políticos de oposição, feitos inimigos e não adversários. Irrompeu, violenta, uma política oficial, ultraconservadora, intolerante,com conotações fascistoides. As mídias sociais servem de arma para todo tipo de ataque, de desinformação,de mentiras que mostram espíritos vingativos, mesquinhos e até perversos.Tudo isso pertence ao outro lado da “cordialidade”brasileira hoje exposta à luz do sol e à execração mundial.

 

O exemplo vem do próprio governo e de seus fanáticos seguidores, De um presidente se esperaria virtudes cívicas e o testemunho pessoal de valores humanos que gostaria vê-los realizados em seus cidadãos. Ao contrário,seu discurso é eivado de ódio, desprezo, de mentiras e de boçalidade na comunicação. É tão inculto e tacanho que ataca o que é mais caro à uma civilização que é sua cultura, seu saber, sua ciência, sua educação, as habilidades de seu povo e o cuidado da saúde e da riqueza ecológica nacional.

 

Nunca tanta barbárie, nos últimos cinquenta anos, tomou conta de algum país, como no Brasil, aproximando-o ao nazifascismo alemão e italiano. Estamos expostos à irrisão mundial,feitos país pária,negacionista do que é consenso entre os povos. A degradação chegou ao ponto de o chefe de Estado fazer o humilhante rito de vassalagem e de submissão ao presidente mais bizarro e “estúpido”(P.Krugman) de toda a história norte-americana.

 

A nossa democracia sempre foi de baixa intensidade. Atualmente se transfromou numa farsa, pois a constituição não é respeitada, as leis são atropeladas e as instituições funcionam somente quando os interesses corporativos são ameaçados. Então a própria justiça se torna conivente face a clamorosas injustiças sociais e ecológoicas, como a expulsão de 450 famílias que ocupavam uma fazendaa bandonada,transfrmando-a em grande produtora de alimentos orgâncos; arranca crianças agarradas a seus cadernos e lhes arrasa a escola; tolera o desmatamento e as queimadas do Pantanal e da floresta amazônica e o risco de genocídio de inteiras nações indígenas, indefesas face ao Covid-10.

 

É humilhante constatar que não haja da parte das mais altas autoridades a coragem patriótica para encaminhar, dentro da legalidade jurídica, a destituição ou o impeachment de um presidente que mostra sinais inequívocos de incapacidade política, ética e psicológica para presidir uma nação das proporções do Brasil. Podem fazer-se ameaças diretas à mais alta corte, de fechá-la, de fazer proclamas à volto ao regime de exceção com a repressão estatal que implica e nada acontece por razões arcanas.

 

As oposições, duramente difamadas e vigiadas, não conseguem criar uma frente compartilhada para opor-se à insensatez do poder atual.

 

A brutalização nas relações sociais e especialmente entre o povo simples não deve ser imputada a ele, mas às classes oligárquicas do atraso que lograram internalizar neles seus preconceitos e visão obscurantista de mundo. Estas classes nunca permitiram que vingasse aqui um capitalismo civilizado, mas o mantém como um dos mais selvagens do mundo, pois conta com os apoios dos poderes estatais, jurídicos, midiáticos e policiais para abateram qualquer oposição organizada. A “racionalidade econômica”se revela desavergonhadamente irracional pelos efeitos maléficos sobre os mais desvalidos e para as políticas sociais destinadas aos socialmente mais sofridos.

 

Esse é um texto indignado. Há momentos em que o intelectual se obriga por razões de ética e de dignidade de seu ofício, a deixar o lugar do saber acadêmico e vir à praça e externar sua iracúndia sagrada. Para tudo há limites suportáveis. Aqui ultrapassamos a tudo o que é dignamente suportável, sensato, humano e minimamente racional. É a barbárie instituída como política de Estado, envenenado as mentes e os corações de muitos com ódios e rejeições e levando à frustração e à depressão a milhões de compatriotas, num contexto dos mais atrozes que tiram de nosso meio pelo vírus invisível mais de cem mil entes queridos. Calar-se equivaleria render-se à razão cínica que, insensível, assiste o desastre nacional. Pode-se poder tudo, menos a dignidade da recusa,da acusação e da rebeldia cordial e intelectual.

—————————————————————————————————————————————————-

 

Colabore com este blog. Mínimo de 10  reais

Deposite na conta 00036281-0/ Agência 0175

Caixa Econômica Federal - CEF

 

Quem mandou matar Marielle Franco?

Postado por Paulo Cezar Soares | Quinta-feira, 20 de Agosto de 2020

900 DIAS

Quem mandou matar Marielle Franco. Por quê?
 

 

 

—————————————————————————————————————————————–

Colabore com este blog. Mínimo de 10 reais

Deposite na conta 00036281-0/ Agência 0175

Caixa Econômica federal - CEF

STF estabelece mudanças na segurança pública do Rio de Janeiro

Postado por Paulo Cezar Soares | Terça-feira, 18 de Agosto de 2020

 

Ministros julgaram pedido de restrição do uso de helicópteros em ações nas favelas.

O Supremo Tribunal Federal (STF)  decidiu - por unanimidade -  impor novas mudanças na política de segurança pública do Rio de Janeiro. No início do mês - uma decisão individual do ministro Edson Fachin, relator do caso, suspendeu as operações policiais em comunidades do Rio de Janeiro durante a pandemia do novo coronavírus.  O julgamento foi realizado no chamado plenário virtural, na última segunda-feira.

Os ministros determinaram as seguintes ações:  restringir o uso de helicópteros nas operações policiais. Só deve ser usado em casos de necessidade - que precisa ser justificada; também restringir operações policiais em locais próximos a escolas, creches, hospitais ou postos de saúde. Operações nesses locais devem ocorrer apenas em  casos excepcionais;  peritos devem documentar as provas produzidas em investigações de crimes contra a vida (como homicídio, por exemplo);   proibir o uso de escolas ou unidades de saúde como base das operações das polícias civil e militar;  em caso de suspeita de envolvimento de policiais em crimes, o Ministério Público deve realizar a investigação. Neste caso, agentes de segurança (policiais civis e militares, por exemplo) e profissionais de saúde (médicos, enfermeiros)  precisam preservar todos os vestígios de crimes cometidos em operações policiais. Eles devem evitar a remoção indevida de corpos de pessoas mortas em conflito para uma suposta prestação de socorro. E não podem descartar peças e objetos importantes para a investigação.

—————————————————————————————————————————————————————–

Colabore com este blog. Mínimo de 10 reais

Deposite na conta 00036281-0/ Ag~encia 0175

Caixa Econômica federal - CEF

Policia aguarda exame para definir autor de assassinato

Postado por Paulo Cezar Soares | Domingo, 16 de Agosto de 2020

 

Policiais da Delegacia de Homicídios da Capital (DHC) aguardam o resultado de um exame de esperma que vai indicar se o suspeito que está preso pelo assassinato de Gilmara de Almeida da Silva, no último dia 30 - Cláudio André Silva Antônio, 40 anos - é culpado ou não. Cozinheira e empregda doméstica, Gilmara, 45 anos, foi abusada sexualmente antes de morrer por asfixia mecânica, no seu local de trabalho, a residência dos seus patrões, no bairro da Freguessia, Jacarepaguá, Zona Oeste do Rio.

Ela foi encontrada caída na lavanderia da casa e levada para o Hospital Cardoso Fontes pelos dois filhos dos patrões, juntamente com Cláudio - que há dois meses trabalhava como cuidador da dona da casa -,onde chegou sem pulsação e, apesar das tentativas dos médicos para preservar a sua vida, não resistiu. De acordo com a polícia foram encontrados vestígios de sêmen no corpo da vítima.

Michelle da Silva, filha de Gilmara, disse que o suspeito preso não tinha bom relacionamento com a sua mãe, que, não  raro, reclamava do seu temperamento difícil. E que implicava até com o seu horário de entrada e saída.”Parecia que ele queria que ela fosse demitida”. Ressaltou que a dona da casa fazia queixas dele aos filhos e queria que fosse substituído.

A outra filha de Gilmara, Milena, desconfia de outras pessoas envolvidas no crime. Frisou que os donos do imóvel mentiram em relação ao caso. “Eles ligaram para o meu pai falando que minha mãe passou mal. E a médica que a atendeu constatou marcas de agressão, estrangulamento, sangue e hematomas no braço”.

 Parentes da vítima já foram ouvidos e diversos objetos seus que estavam casa dos patrões foram apreendidos, como por  exemplo, o seu celular. Segundo Michelle, o aparelho estava sujo de terra quando chegou à DH.

 

————————————————————————————————————————————————-

Colabore com este blog. Mínimo de 10  reais

Deposite na conta 00036281-0 / Agência 0175

Caixa Econômica Federal - CEF

O que importa é o ser humano

Postado por Paulo Cezar Soares | Quinta-feira, 13 de Agosto de 2020

 

 .

Os policiais militares de São Paulo estão usando câmeras acopladas ao colete desde o início deste mês, cujo objetivo é filmar ações e abordagens para coibir casos de violência policial. A princípio, as câmeras estão sendo usadas por três batalhões - 565 já  estão em operação. E o governo do Estado já está providenciando a compra de mais 2.500.

Virou moda investir em tecnologia como se fosse uma panaceia para todos os males. Os problemas que envolvem a PM em todo o país só vão mudar caso ocorra algum progresso na cultura existente na corporação, que perpassa todca  a formação do policial, ou seja: não há ênfase no respeito ao Direitos Humanos. E grassa o desrespeito  em  relação ao preconceito  de todos os matizes, principalmente o racial. Foi o que ocorreu no último dia 6, no Shoppinh Ilha Plaza, na Ilha do Governador, Zona Norte do Rio, fato que ganhou repercussão nacional.

Dos Pms que trabalham na segurança do shopping à paisana  e armados, desconfiaram de Matheus Fernandes, 18 anos - jovem negro e morador em uma favela - e o abordaram dentro de uma loja, onde foi trocar um relógio que havia  comprado para o Dia dos Pais.

Matheus foi abordado de forma irregular e truculenta. Levado para a ecada de emergência do shopping teve uma pistola apontada para a sua cabeça. Tudo isso, após ter apresentado seus documentos e a nota fiscal, que comprovava a compra do relógio.

A despeito do shopping possuir câmeras por todos os lados, isso não inibiu os PMs - soldado Diego Alves da Silva, lotado no Batalhão de Choque,  tropa de elite da PM, e o sargento Gabriel Sá Itaú, que trabalha no Programa Segurança Presente - de agirem completamente fora dos padrões. O caso foi registrado na delegacia do bairro.

Na verdade, pouco importa investir em tecnologia quando a mentalidade reinante é antiquada, de estilo autoritário, que  defende métodos violentos para combater a violência.

Tecnologia à parte, o melhor investimento é no ser humano.Melhor seria investir de forma objetiva e profissional em  treinamentos mais constantes, aprimorar as condições de trabalho e uma formação mais humanística.
 

 

————————————————————————————————————————————————————

Colabore com este blog. Mínimo de 10  reais

Deposite na conta 00036281-0 / Agência 0175

Caixa Econômica Federal - CEF