A violência que nos assola

Postado por Paulo Cezar Soares | Sexta-feira, 30 de Março de 2018

 

 

Nenhuma violência é criadora - Alceu Amoro Lima

Grupos de extermínio e policiais matadores costumam resolver suas questões com seus opositores, matando-os. Na maior parte dos casos são bandidos de quinta categoria, ou pessoas dos estratos mais baixos da pirâmide social. Cometem crimes que, na sua maioria, acabam não sendo esclarecidos. As vítimas não têm voz, não possuem representatividade. Em alguns casos, como por exemplo, a execução de bandidos, a sociedade até aplaude, atitude que fortalece os matadores. A impunidade aumenta o seu poder, amplia sua ações, cada vez mais ousadas, muitas vezes estimuladas pelos seus superiores.

Foi o que ocorreu em agosto de 2011, quando a juíza Patricia Acioli foi executada com 21 tiros, próximo a sua residência, no bairro de Piratininga, Região Oceânica de Niterói, uma represália a investigações realizadas pela magistrada - que trabalhava na Quarta Vara Criminal de São Gonçalo, município da Região Metropolitana do Rio  - contra PMs suspeitos de execuções de bandidos e de simulações de auto de resistência. Seu assassinato foi articulado pelo comandante do 7º BPM (bairro Alcântara, São Gonçalo), tenente-coronel Cláudio Luiz de Oliveira que - além da perda do cargo público - foi condenado a 36 anos de prisão, em março de 2014. Em setembro do mesmo ano, nove soldados acusados de participação no assassinato foram condenados a penas que variam de 19 a 26 anos de prisão. E o tenente Daniel Santos Benitez, acusado de participação no assassinato da juíza,  foi condenado também a 36 anos de prisão.

Acostumados a agirem ao arrepio da lei, os matadores da juíza ultrapassaram o fio, ou seja: não avaliaram com precisão o poder e a importância da sua vítima, a repercussão que o caso iria ocasionar. O que interessava á época  era calar para sempre quem estava expondo seus crimes. Obtusos, acharam que iriam matar uma juíza e jamais seriam descobertos. Fato semelhante ocorreu com os assassinato do jornalista Tim Lopes, que desapareceu na Vila Cruzeiro, na Penha, Zona Norte do Rio, em 2 de junho de 2002 e, no dia 5 de julho, a polícia confirmou oficialmente sua morte.

Levando-se em consideração os fatos em tela, tudo indica que o assassinato da vereadora Marielle Franco, que honrou seu mandato com uma postura corajosa e objetiva em favor dos menos favorecidos, tenha seguido um roteiro semelhante.

A cultura punitivista da nossa sociedade, que se diz cristã,  o preconceito de classe, o racismo, e a negligência pelos mais elementares postulados éticos, gestaram uma polícia que mata, grupos de extermínio e assemelhados. A violência urbana que grassa no Rio, e em vários estados, vem de longe. O país está colhendo o que plantou. E, como é sabido por todos, você só colhe o que planta.

Não adianta demonizar os políticos por nossas mazelas, como se só eles fossem os culpados. A culpa é  sempre do outro. É preciso fazer uma autocrítica - imparcial, na marca.

Para Adão, Eva, a tentadora Eva, foi a causa do seu pecado

à procura dos assassinos

Postado por Paulo Cezar Soares | Terça-feira, 27 de Março de 2018

 

Além da investigação do assassinato da vereadora Marielle Franco, uma outra tragédia, apesar de não  ter tido por parte da imprensa a mesma visibilidade, não pode ficar impune. Trata-se da chacina ocorrida no município de Maricá,Rregião Metropolitana do Rio  de Janeiro.

De acordo com a delegada Bárbara Lomba, da Divisão de Homicídios de Niterói e São Gonçalo,  a execução dos cinco jovens - todos mortos com tiros na cabeça -  tem características de uma ação de milicianos. Dos cinco mortos, três eram menores de idade.

A chachina ocorreu no Conjunto Residencial Carlos Marighella, no distrito de Itaipuaçu. 

 

Guerra urbana

Postado por Paulo Cezar Soares | segunda-feira, 26 de Março de 2018

 

Resumo semanal da violência carioca

Vários fatos violentos marcaram a semana passada. No último domingo, chachina em Maricá, Região Metropolitana do Rio. Cinco jovens foram executados num conjunto habitacional. De acordo com testemunhas, os assassinos fazem parte da milícia que atua na região. No último sábado,  houve tiroteios entre PMs e bandidos na favela da Rocinha, Zona Sul do Rio. Oito pessoas morreram. Na sexta, um PM e sua esposa foram encontrados mortos na sua residência, no bairro do Barreto, município de Niterói, que também faz parte da Região Metropolitana do Rio. Na quinta, um tiroteio  entre policiais e bandidos no Complexo do Alemão, Zona Norte do Rio, terminou com três baleados e dois mortos, entre eles, uma criança de 2 anos. Na segunda-feira pela manhã, um homem morreu e duas pessoas ficaram feridas na Avenida Presidente Vargas, em frente à Central do Brasil, quando policiais tentaram interceptar a tiros, bandidos que haviam roubado uma loja de celulares na Avenida Passos. A cidade vive uma autêntica guerra urbana.

  A crise no Rio de Janeiro atinge não apenas todo o sistema de segurança pública. Ela perpassa todos os setores. nada funciona a contento. Diante de um quadro tão crítico, a intervenção federal pouco pode fazer. Serviu apenas para oficializar a incompetência do governo estadulal, que jogou a toalha diante da violência, cujos índices são cada vez mais assustadores
 

Guerra urbana

Postado por Paulo Cezar Soares |

 

Resumo semanal da violência carioca

Vários fatos violentos marcaram a semana passada. No último domingo, chachina em Maricá, Região Metropolitana do Rio. Cinco jovens foram executados num conjunto habitacional. De acordo com testemunhas, os assassinos fazem parte da milícia que atua na região. No último sábado,  houve tiroteios entre PMs e bandidos na favela da Rocinha, Zona Sul do Rio. Oito pessoas morreram. Na sexta, um PM e sua esposa foram encontrados mortos na sua residência, no bairro do Barreto, município de Niterói, que também faz parte da Região Metropolitana do Rio. Na quinta, um tiroteio  entre policiais e bandidos no Complexo do Alemão, Zona Norte do Rio, terminou com três baleados e dois mortos, entre eles, uma criança de 2 anos. Na segunda-feira pela manhã, um homem morreu e duas pessoas ficaram feridas na Avenida Presidente Vargas, em frente à Central do Brasil, quando policiais tentaram interceptar a tiros, bandidos que haviam roubado uma loja de celulares na Avenida Passos. A cidade vive uma autêntica guerra urbana.

  A crise no Rio de Janeiro atinge não apenas todo o sistema de segurança pública. Ela perpassa todos os setores. nada funciona a contento. Diante de um quadro tão crítico, a intervenção federal pouco pode fazer. Serviu apenas para oficializar a incompetência do governo estadulal, que jogou a toalha diante da violência, cujos índices são cada vez mais assustadores
 

Assassinato de Marielle na mídia: a descontextualização de uma luta

Postado por Paulo Cezar Soares | Quinta-feira, 22 de Março de 2018

Texto publicado no site da revista Carta Capital

 

 

Reprodução/TV Globo

Marcha por Marielle

No Fantástico, longa e emotiva reportagem sobre o assassinato foi seguida de notícia sobre recursos para a Intervenção Federal

Por André Pasti, Eduardo Amorim e Mônica Mourão*

O terrível assassinato, de cunho político, da vereadora Marielle Franco foi assunto nos principais meios de comunicação brasileiros e internacionais nos últimos dias. No entanto, a mídia tradicional e diversos meios virtuais da extrema-direita brasileira entraram no caso disputando a interpretação, a imagem de Marielle e as narrativas acerca das respostas necessárias a seu assassinato. Quais os interesses presentes na cobertura do caso?

Entre os usos midiáticos e as tentativas de controle do discurso estão esforços para destruir a imagem e reputação de Marielle, a descontextualização de sua luta contra a intervenção militar, a apropriação do assassinato para deslegitimar os direitos humanos e esforços de despolitizar o crime.

Interessante notar que a “comoção” midiática para o tema foi um pouco tardia, com exceção dos jornais populares: as capas dos principais jornais de referência do Rio de Janeiro no dia seguinte da tragédia davam destaques tímidos ao caso, apontando para uma linha editorial de minimização da execução da vereadora.

No entanto, a presença de milhares de pessoas em protestos que se espalharam por mais de dez estados brasileiros, além de pelo menos outros seis países, e o impacto que o crime teve nas redes criaram uma pressão para repercussão do caso.

Tendo em vista, porém, o enorme alcance e poder dos principais grupos de comunicação do Brasil, a imprensa tradicional lançou mão de uma estratégia que não é nova: em vez de invisibilizar o assassinato, centralizou sua cobertura.

Houve uma celebração de que isso tenha significado ampla visibilidade, mas a conta desse alcance midiático foi alta. Ela deu lugar à apropriação do assunto para reforço dos interesses dessas empresas que dominam a mídia brasileira.

Grande mídia tenta conduzir interpretação pró-intervenção militar, oposta à posição da vereadora

As primeiras repercussões nas redes sociais sobre o assassinato destacavam as denúncias feitas pela vereadora – que também foi assessora da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro – contra o genocídio negro nas favelas do Rio e a violência do Estado, praticada tanto pela Polícia Militar quanto pela intervenção federal na Segurança Pública do Rio.

Não por acaso, as edições do dia seguinte dos principais veículos de comunicação tentaram minimizar as associações de sua morte com a defesa dessas pautas e dar o tom da interpretação que desejavam.

A revista Veja publicou, em seu site, a matéria “Marielle Franco: a quem interessava seu assassinato?”. Nela, a revista afirmou que o assassinato desafiava a intervenção e elogiou a fala de Michel Temer, de que se tratava de um atentado à democracia (que exigiria “mais” intervenção como resposta).

A fala do Presidente golpista deu o tom das opiniões da maioria dos meios. O editorial do jornal O Globo exigiu punição exemplar e reforçou a necessidade de intervenção, afirmando que o assassinato foi “um símbolo contundente do descontrole a que chegou a segurança do Rio”, que teria levado “à intervenção federal”.

Já no início do editorial, citam o assassinato de um empresário em uma tentativa de assalto, tentando retratar a execução política de Marielle como um caso de violência urbana. O colunista Merval Pereira foi um dos escalados para defender essa posição no jornal e na Globo News.

O editorial da Folha de S.Paulo criticou as “teorias conspiratórias” que surgiriam das críticas de Marielle à intervenção. No Estadão, foi dado destaque a um artigo de opinião defendendo a “libertadora” ocupação militar.

Mesmo quando alguns veículos mencionaram que Marielle era contra a intervenção, o tom foi de que sua morte provaria que a intervenção é necessária. Foi o caso do Jornal do Brasil, que trouxe um artigo de Marielle na capa, contrário à intervenção, mas no rodapé destacou um trecho do editorial do veículo, que defendia a entrega da Segurança Pública do estado ao general do Exército Walter Braga Netto.

Tentativa de despolitização e construção de narrativa dramática

Na televisão também houve destaque à linha de despolitizar a morte – e como tudo indica até o momento, execução – de Marielle Franco, colocando-a como apenas mais uma vítima da violência urbana no Rio de Janeiro.

Na reportagem do Jornal Nacional da quinta-feira (o dia seguinte), que fala da reação das autoridades ao crime, a deputada Luiza Erundina aparece por nove segundos e é a única representante do PSOL: “Cada um de nós, sobretudo nós mulheres, nos sentimos morrendo um pouco no dia de hoje, no dia de ontem”. Na mesma reportagem, o senador Jorge Viana (PT-AC) tem amplo destaque defendendo “intervenção” no Brasil inteiro.

A declaração dura cerca de um minuto e prepara o depoimento que virá a seguir, em que o presidente Michel Temer afirma que “por isso, aliás, nós decretamos a intervenção, para acabar com o banditismo desenfreado que se instalou naquela cidade por força das organizações criminosas”.

Esse argumento também foi construído com o encadeamento das reportagens nas edições dos jornais e programas. Na edição de sábado, o Jornal Nacional colocou no ar uma matéria sobre um dia de ações da intervenção militar na Vila Kennedy, com viés elogioso.

O mesmo ocorreu na edição do Fantástico do dia 18/03, com um encadeamento de uma notícia sobre a liberação de recursos financeiros para a intervenção militar no Rio de Janeiro após uma longa, emotiva e dedicada matéria sobre o assassinato.

Apesar de ter ampliado bastante a cobertura sobre o caso, a falta de contexto, de dados e de visibilidade para os argumentos mais representativos da vereadora criou a narrativa desejada pelas corporações de mídia, predominantemente a favor da intervenção militar. Os meios seguiram, assim, ignorando, silenciando ou minimizando a posição de Marielle sobre os problemas da intervenção e as denúncias que vinha fazendo cotidianamente.

Fábrica de fake news em ataque ao histórico da vereadora

Ainda não se pode dizer quem foi responsável por mandar matar Marielle Franco, mas é explícito o crime de quem agora tenta matar a memória da militante nas redes sociais. Páginas com grande número de seguidores no Facebook e canais de YouTube declaradamente reacionários são responsáveis por propagar o discurso de ódio que se prolifera na Internet e associa a vereadora do PSOL com o crime organizado.

Muitos canais do Youtube participam da difusão desses boatos e dessa tentativa de desconstrução de sua imagem. Vídeos difamatórios com centenas de milhares de visualizações aparecem abundantemente nas primeiras páginas dos resultados de busca pelo nome da vereadora. Mas são geralmente perfis de maior alcance que permitem que esses ataques circulem efetivamente entre as pessoas.

No Youtube, a jornalista da extrema-direita Joice Hasselmann (ex-Jovem Pan, CBN e Veja, pré-candidata ao Senado com Bolsonaro), com mais de 500 mil seguidores, deu a notícia do assassinato dizendo que a vereadora “tinha um discurso totalmente falacioso” na “defesa hipócrita dos direitos dos bandidos”.

Tentando pautar a narrativa do caso, ela ainda dizia ser necessário que o PSOL pedisse uma intervenção militar ainda mais intensa. No dia seguinte, complementou a tentativa de despolitizar o tema, dizendo que “na esquerda é claro que há poucas pessoas que prestam” e afirmando que o partido da vereadora estaria fazendo uma plataforma política contra homens brancos, os mais afortunados, e contra a polícia.

Num viés moralista, também são muitos os posts que tentam colocar Marielle como tendo sido mãe aos 16 anos (o que em nada deveria abalar a reputação de uma mulher) e de ser usuária da maconha.

Ela foi mãe aos 19 anos e, assim como os demais parlamentares do PSOL, acreditava que a legalização das drogas diminuiria a violência em torno do tráfico. Os argumentos fazem parte justamente da defesa do povo pobre, negro e favelado.

O MBL (Movimento Brasil Livre) tem utilizado diversas estratégias para associar Marielle ao crime organizado. Na segunda-feira 19, a página do grupo divulgou post relacionando o carro dos assassinos com tráfico de drogas, tentando afastar a possibilidade do assassinato ter sido cometido por militares ou facções criminosas ligadas à Polícia Militar carioca. Mesmo antes da informação oficial, o que vai ficar como realidade é isso para os milhões de seguidores da página.

14.235 denúncias de calúnia, difamação e falsa imputação de crimes já registradas

Foi o que aconteceu em relação à postagem que utilizava declaração, depois desmentida, da desembargadora Marília Castro Neves (aliás, importante lembrar que declarações de “autoridades” como ela conferem caráter de legitimidade às calúnias).

Só na página do MBL no Facebook foram mais de 33 mil compartilhamentos e 44 mil curtidas em reportagem cujo título era: “Desembargadora quebra narrativa do PSOL e diz que Marielle se envolvia com bandidos e é ‘cadáver comum’”.

Apesar de o post ter desaparecido, é importante perceber como o Facebook não tem excluído a página que frequentemente incorre nesta prática. O “sumiço” de postagens como essa mostra que existe uma reação às mentiras propagadas na rede contra a vereadora. Outro exemplo é do deputado federal Alberto Fraga (DEM-DF), que deletou sua conta do Twitter depois de fazer ataques.

Até agora, segue na página de fake news mais famosa do Brasil um post com a foto da vereadora e o título “PSOL vai se dar mal por causa da comoção criada em torno da morte de Marielle”.

No texto da postagem, fica praticamente explícita a mentira de que ela defendia bandidos: “Seja qual for o resultado dessa investigação, a sociedade vai exigir que haja muito mais severidade na punição para os criminosos e um bom reforço na segurança pública, e isso é tudo o que o partido não quer”.

Além de acionar o seu já conhecido arsenal de impropérios, o MBL tem colocado as “diferentes versões” sobre Marielle como “disputa de narrativas” e acusado a esquerda, especialmente o PSOL, de criar e difundir fake news.

Um grupo de advogados se organizou para sistematizar denúncias de difamação, calúnia e falsa imputação de crimes contra Marielle na internet. Até a manhã dessa segunda-feira (19), eles receberam, através do e-mail evelyn@ejsadvogadas.com.br, um total de 14.235 denúncias.

O grupo ainda está analisando quantos se referem a casos diferentes, mas já sabem que o número é alto. Ameaça, calúnia, difamação e injúria são crimes previstos no Código Penal brasileiro, independente de praticados ou não na internet.

Nesse contexto, são poucos os acertos na cobertura da mídia. Valeria destacar positivamente as denúncias sobre os boatos difamatórios que ganharam algum espaço nos grandes meios, trazendo informações importantes sobre o significado da defesa dos direitos humanos.

No entanto, mesmo quando os meios apresentam as manifestações que tomam as ruas do país, na maior parte das vezes, esvaziam o significado — como fizeram com o mote “Marielle, Presente”, em meio à defesa dos veículos da intervenção federal.

Marielle Franco era uma mulher negra e favelada, lésbica defensora dos direitos LGBT e ativista contra o genocídio negro nas favelas cariocas, contra a violência policial e a intervenção militar, vereadora anticapitalista, socióloga crítica da política de segurança do estado e defensora dos direitos humanos. Em todas essas pautas, a grande mídia se coloca, cotidianamente, no lado oposto do que ela defendia. 

Enquanto isso, multiplicam-se pelo mundo manifestações que exigem investigação minuciosa do assassinato, bem como o fim do genocídio negro no Brasil e do ataque aos defensores de direitos humanos, cujos números só crescem – bem longe dos holofotes da mídia tradicional, que os ignora ou minimiza no cotidiano da produção de notícias.

Fora dos interesses dos meios de comunicação, as pautas defendidas por Marielle urgem por espaço no debate público. E já que sementes também criam novos imaginários, tudo indica que Marielle viverá em novas narrativas e por muito tempo.

*André Pasti é doutorando em Geografia Humana na USP e professor do Cotuca/Unicamp, Eduardo Amorim é doutorando em Comunicação pelo PPGCOM-UFPE e Mônica Mourão é professora. Todos são integrantes do Intervozes.

 

 

 

 

   
   

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Desrespeito

Postado por Paulo Cezar Soares | Quarta-feira, 21 de Março de 2018

As mentiras que foram colocadas na internet a respeito da vereadora Marielle Franco, assassinada no bairro do Estácio, Zona Central da cidade, na semana passada, deixam à mostra o caráter das pessoas. Nossa sociedade é hipócrita, mesquinha, racista e preconceituosa. A maioria que postou comentários ofensivos, mentirosos e ilações na internet, não sabe nada sobre o perfil da vereadora e o seu trabalho. Desrespeito total.

No momento, o que importa é torcer para que as investigações da polícia consigam identificar e prender os assassinos, e o mandante do crime.

A Delegacia de Homicídios da Capital possui infraestrutura, e uma equipe de policiais sérios e altamente capacitados. Portanto, o esclarecimento do crime é uma questão de tempo.