O crime amplia seus tentáculos

Postado por Paulo Cezar Soares | Sábado, 28 de Julho de 2018

 

“De tanto ver agigantarrem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra e a ter vergonha de ser honesto.  (Ruy Barbosa)

Indignação: esse é o sentimento que certamente muitos cariocas sentiram a respeito da prisão do prefeito de Japeri - município da Baixada Fluminense - Carlos Moraes, do Partido Progressista (PP), e do vereador Claudio José da Silva, o Cacau, também do PP. Numa operação da Polícia Civil e Ministério Público com o objetivo de combater o crime organizado na Baixada. todos foram denunciados por ligação com o tráfico de drogas local.O prefeito vai responder por porte ilegal de arma de fogo - na sua casa foi encontrada uma pistola com a numeração raspada, além de dinheiro e munição- e por associação ao tráfico de drogas.

De perfil agressivo e intimidatório, Carlos Moraes xingou e ameaçou os repórteres Diego Haidar (TV Globo) e Adriana Oliveira (Record TV). Os jornalistas cobriam a chegada do político, detido por associação ao tráfico, à Cidade da Polícia, quando ele os xingou e ameaçou: “A gente resolve na Baixada”, disse. Ele teve os direitos políticos suspensos por determinação da desembargadora Márcia Perrini, da 7ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio.

Em nota, a Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo -Abraji - repudiou a ameaça de Carlos Moraes aos repórteres Diego Haidar e Adriana Oliveira. “Ao intimidar jornalistas no exercício de sua função com o objetivo de coibir a divulgação de fatos, Moraes realizou um ataque direto à liberdade de expressão e ao direito à informação. A associação solicita às autoridades responsáveis que dediquem atenção à segurança dos profissionais, para prevenir qualquer tipo de violência ou nova intimidação”.   

A  polícia também tinha um mandado de prisão contra o presidente da Câmara de Japeri, Wesley George de Oliveira (PP), o Miga, que não foi encontrado. É considerado foragido da Justiça.

Policiais do 24º BPM (Queimados) também serão investigados. Durante as investigações foi interceptada uma convrsa de Miga com o Breno. O traficante “diz que está sendo difícil, e pede ao presidente da Cãmara para falar com o seu irmão, que é policial do batalhão, porqie senão o oxigênio (leia-se propina) vai acabar”.

A operação prendeu sete pessoas e apreendeu armas, munições e dólares. Há 57 mandados de busca e apreensão e 38 de prisão. O elo entre a Prefeitura de Japeri, a Câmara Municipal e os traficantes era Jenifer Aparecida Kaiser de Matos, que também foi presa.