A tendência é piorar

Postado por Paulo Cezar Soares | Quarta-feira, 18 de Abril de 2018

 

Leio os jornais, os poucos que ainda resistem,e a quantidade de notícias ruins é avassaladora. Instalou-se após o golpe que defenestrou a presidente Dilma Rousseff uma ditadura sem farda. Ninguém acredita mais em nada e nem em ninguém. Diante do momento que o país vive - quando o golpista e entreguista Temer assumiu o poder o Brasil tinha 12 milhões de desempregados; agora são 13 milhões. Diante disso, como melhorar, por exemplo, a situação do Rio de Janeiro, cuja principal mazela, há várias décadas é a violência urbana?

A intervenção militar é apenas um jogo de interesses tramado nos bastidores do poder, que proporciona para a população uma falsa sensação de segurança. Na verdade, nada mudou. As balas perdidas continuam matando vítimas inocentes, e  traficantes e milicianos desafiam o Poder Público. Um estado degradado, à deriva.

Mas, mesmo diante de um quadro desalentador, há ainda pessoas que, com dignidade e uma coragem dignas de nota, lutam pelo povão, pelo fim da exclusão social e pelas minorias. Denunciam as injustiças e a violência policial, principalmente nas favelas e periferias. Assim agia a vereadora Marielle Franco (Psol), líder popular calada à força, brutalmente assassinada a tiros, em 14 de março último, um crime ainda não desvendado.

E o líder maior, de prestígio internacional, o ex-presidente Lula, vítima do preconceito das elites, foi condenado  sem provas e está preso.

Instalou-se no poder o que de pior existe no cenário político do país, que está no abismo. O povo brasileiro vive num deserto, sem rumo, sem perspectivas. Arrisco-me a dizer que a tendência é piorar. 

Triste! Muito triste!