O governador Pezão jogou a toalha

Postado por Paulo Cezar Soares | Sexta-feira, 16 de Fevereiro de 2018

Tenta-se, mais uma vez, resolver uma questão social pelo pior caminho. Completamente sem rumo na sua administração e pressionado diante dos indicadores da violência urbana, o governador Pezão decidiu pela intervenção federal no Estado.

Manda a verdade que se diga que, com exceção do governo de Leonel Brizola, que investiu no maior projeto de educação que o Estado do Rio de Janeiro já teve - os Cieps - e tinha respeito pelo povo, os moradores das favelas e periferias nunca tiveram de nenhum governo estadual, uma atenção digna de nota. A falta de infraestrutura desses locais, o desemprego e o sofrimento diário dessas pessoas em várias dimensões, pois não possuem uma cidadania plena, é uma prova disso.

Já tive oportunidade de comentar aqui neste blog que o preconceito de classes,  o racismo, os interesses políticos e econômicos e a manipulação da informação, ao longo do tempo foi criando um terreno propício para a situação que o Rio enfrenta.

Como diz a Bíblia Sagrada, você só colhe o que você planta É claro que não podemos esquecer a grave crise econômica que o estado está enfrentando - além do golpe que afastou a presidente Dima Rousseff -, fatos que potencializaram a violência urbana, fruto de um governo antiético - para dizer o mínimo - que desprezou completamente o interesse público e as questões sociais . À época havia dinheiro para investimentos, em função da Copa do Mundo e das Olimpíadas.

Aprofunda-se a crise em todas  as suas dimensões. A intervenção federal é mais uma mancha no  currículo de um Estado que já foi referência no país.

2018 promete! Deus nos proteja!