Competência e coragem

Postado por Paulo Cezar Soares | Sábado, 11 de Novembro de 2017


Secretário de Segurança Pública do Estado do Rio de Janeiro, Roberto Sá: competência e coragem

Admiro a coragem do secretário de Segurança Pública do Estado do Rio de Janeiro, Roberto Sá. Tratando-se de Rio de Janeiro, há décadas seu cargo é o mais desgastante e estressante. Principalmente agora, que o estado vive uma crise econômica sem precedentes, fruto da corrupção, da arrogância e de um sentimento de impunidade que, como não poderia  deixar de ser, aprofundou os problemas na área de segurança. O povo carioca vive refém do crime. Situção que atinge a todos, independente de classe social.

Competente, sempre objetivo e sucinto em seus pronunciamentos, o secretário - ex-membro do Bope, Batalhão de Operações Especiais Policiais -  ressalta a importância das apreensões de armamentos, principalmente dos fuzis, e valoriza a capacidade operacional  da polícia carioca -  civil e militar - que, a despeito de uma infraestrutura deficiente para executar seu trabalho, tem mostrado eficiência no combate ao crime. Tem cumprido na marca com a sua missão, sem esmorecer.

Prova disso, para citar apenas um exemplo, foi a prisão, na última sexta-feira, do marginal Alberto Ribeiro Sant’anna, vulgo Cachorrão, braço-direito do chefe do  tráfico de drogas na favela da Rocinha, em São Conrrado, Zona Sul do Rio, Rogério Avelino dos Santos, o Rogério 157.

Para melhorar ainda mais o quadro descrito acima, a polícia precisa itensificar o combate à corupção nos seus quadros. fato que, entre outras coisas, desmoraliza a instituição perante a opinião pública.

Não conheço o secretário pessoalmente, não tenho nenhum interesse político, ou coisa que o valha, mas penso que a polícia tem enfrentando uma situação extremamente difícil, com muita dignidade.

Só a união de toda a sociedade, sem demagogia, preconceitos e interesses políticos, será possível virar a página, ou seja: que os cariocas possam ter uma vida normal, andar em qualquer local  da cidade, sem medo de bala perdida.