O Brasil no fundo do poço

Postado por Paulo Cezar Soares | Quinta-feira, 5 de Outubro de 2017

 

Leia com atenção e reflita

Publicado no site da revista Carta Capital

Marcos Coimbra*

Nunca o País passou por momentos de tanto desalento e de tamanha desesperança

O retrato do Brasil que emerge das pesquisas quantitativas é ruim. Mas o que vem das pesquisas qualitativas é pior. Pelo que vemos através delas, a alma brasileira nunca esteve em momento mais negativo.

É impossível falar do  passado longínquo, mas, nos tempos modernos, é a primeira vez que temos tanto desânimo, desconfiança e desesperança. Talvez exista quem esteja satisfeito e otimista, mas é difícil encontrá-los. A quase totalidade da população não está assim.

Quando, ao realizar pesquisas qualitativas, reunimos mulheres e homens da classe trabalhadora, vemos um desconsolo ainda maior. Os  ricos e as classes médias são menos dependentes das circunstâncias da economia e da sociedade. Estão mais blindados que os pobres.

Ainda que o desânimo seja geral, esses são os que mais sentem os problemas do País. A partir de seus depoimentos, percebe-se que as pessoas se imaginam vivendo múltiplas crises simultâneas, cada uma reforçando as outras. Segundo o que dizem, seriam cinco.

A primeira é a crise na economia, da qual a maior evidência é o desemprego, que ameaça o presente e compromete o futuro. As famílias trabalhadoras estão amedrontadas com a possibilidade de perder o que têm e de não conseguirem assegurar para os filhos oportunidades sequer iguais às que os pais tiveram.

A segunda é a crise no governo, chefiado por um presidente sem vínculos com o povo e sem moral. Um governante como Michel Temer é o inverso do que as pessoas gostariam de ter: alguém legítimo e capaz de cuidar daquilo que diz respeito a todos.

Elas também vivem uma terceira crise, essa na política, traduzida na sensação de que os políticos, de uma maneira geral, são corruptos e só pensam em si mesmos. Há exceções, mas a regra é de desconfiança nos indivíduos e nas instituições, em particular no Congresso.

Assim, com uma crise na economia, um governo como o de Temer e sem políticos que as representem, as pessoas sentem que uma quarta crise as atinge, proveniente do colapso das políticas públicas. Ganhando menos, mais afetadas pelo desemprego e cada vez com menos acesso a programas em áreas como saúde, educação e moradia, a sensação de fragilidade aumenta.

Essa sobreposição de crises produz outra, uma  crise na convivência social, com o agravamento da insegurança, seja no sentido literal, proveniente da criminalidade e das ameaças à vida, seja no plano psicológico e emocional.

As pessoas estão assustadas e à procura de qualquer coisa que alivie suas ansiedades. Não é, está claro, a primeira vez que pesquisas qualitativas encontram um clima negativo na opinião pública. No passado, no entanto, o panorama era diferente.

Alguns ficaram órfãos de Fernando Collor, mas seu impeachment foi, para a maioria, um momento de afirmação. Cada um acreditou ter o poder de destituir um presidente da República inconfiável. Ao contrário do desânimo atual, aqueles foram tempos de celebração.

A sucessão de trapalhadas do segundo governo de  Fernando Henrique Cardoso, com o colapso cambial e o apagão elétrico, deixou atônita a população, mas não implicou a quebra de confiança na economia e no País. As pessoas apenas perceberam que a competência tucana era mais lenda que realidade.

Hoje, elas se reconhecem imersas em crises cuja gênese não compreendem e para as quais não enxergam saída. Sabem apenas duas coisas: que a crise atual é a pior que conheceram e que, não faz muito tempo, tudo era diferente no Brasil.

Para os entrevistados, há um mistério e um paradoxo. Como é possível que o Brasil se encontrasse bem, que as pessoas estivessem satisfeitas e que o resto do mundo nos admirasse, e que, em pouquíssimo tempo, tudo desandasse e tantos problemas se somassem?

De Sul a Norte, as pessoas do povo são unânimes ao dizer que “as coisas estavam melhor quando Lula era presidente”. Simpatizantes ou não do ex-presidente e do PT, todos concordam que havia emprego, o País crescia, existiam muitos e bons programas sociais.

Comparado com os dias atuais, era outro Brasil. A narrativa que recebem da mídia corporativa, dos políticos conservadores e, muito especialmente, dos juízes e promotores de direita, de que “tudo era ilusão”, não as convence. Para elas, muito mais ilusória é a história que ouvem agora.

Se alguém quiser entender o porquê da força de Lula, não precisa procurar longe: basta ouvir o que contam as pessoas do tempo em que ele esteve no governo e como comparam esse período com o que aconteceu com o Brasil depois que a direita reassumiu o poder..

Marcos Coimbra é sociólogo, presidente do Instituto Vox Populi e também colunista do Correio Brasiliense

Comentários

  1. TJosephdoosy Sábado, 14 de Outubro de 2017, 06:57:47

    http://bit.ly/2hiePjo - BrainRush – натуральное средство на основе мицелл, вытяжек и концентратов лекарственных растений с добавлением глицина, биотина и комплекса витаминов В.
    Улучшает передачу нервных импульсов и работу всех отделов головного мозга, помогает при нарушениях функции памяти.
    BrainRush легко усваивается организмом и начинает действовать максимально быстро, дополнительно воздействует на функции эндокринной, имунной и нервной систем.
    Эффективен в любом возрасте.

    http://tinyurl.com/yb9h9jty - BRAINRUSH – ЭТО УНИКАЛЬНОЕ СЕРТИФИЦИРОВАННОЕ СРЕДСТВО

    Не содержит ГМО Не содержит вредных для здоровья красителей.
    Не содержит вредных для здоровья консервантов.
    Не имеет противопоказаний.
    Запатентованный синергический фитокомплекс.

    http://ow.ly/DzTd30e46cE - BRAINRUSH исключительно натуральные компоненты, не наносящие вреда организму.
    Активные вещества корневища солодки, шалфея и пустырника пятилопастного повышают устойчивость нервных клеток к кислородному голоданию, активизируют
    умственную деятельность, способствует улучшению памяти и сна.

Adicionar comentário

Preencha o formulário abaixo para postar seus comentários